sábado, 22 de outubro de 2011

Livreto da Celebração de Canonização de Dom Guido

http://www.vatican.va/news_services/liturgy/libretti/2011/20111023.pdf

canonização de Dom Guido







Guido Maria Conforti nasceu em Ravadese (Parma - Itália) no
dia 30 de março de 1865. Foi batizado no mesmo dia. Aos 11 anos,
ingressou no seminário. Uma doença com sintomas de tipo epilético
atrasou sua ordenação. Entretanto, foi nomeado vice-reitor do
seminário, demonstrando notáveis dotes como educador, mas principalmente,
orientando os jovens à santidade com o testemunho de
uma vida de fé. Com a saúde recuperada, foi ordenado presbítero
em 1888. Jovem sacerdote, foi nomeado “Diretor da Pia Obra da
Propagação da Fé”. Antes de completar trinta anos, foi chamado a
ser Vigário Geral.
Por motivos de saúde, não podendo realizar a vocação missionária
à qual se sentia chamado, em 1895, fundou a Pia Sociedade
de São Francisco Xavier para as Missões Além Fronteiras
(Missionários Xaverianos) com o único objetivo de evangelizar os
não-cristãos. Em 1899, enviou os primeiros dois missionários à
China, e nos anos sucessivos, muitos outros os seguiram.
Em 1902, com apenas 37 anos, foi chamado pelo Papa Leão
XIII a dirigir a Arquidiocese de Ravenna. Doou-se total e exclusivamente
a Cristo e consagrou-se sem reservas ao bem das almas.
Assim, no dia da consagração episcopal, emitiu os votos religiosos
perpétuos. Durante dois anos, dedicou todas as suas energias ao
bem da Diocese, mas sua saúde acabou cedendo. Sentindo-se responsável
pelo rebanho a ele confiado, apresentou renúncia, aceita
pelo Papa Pio X, e voltou a seu Instituto, onde se dedicou à formação
de seus alunos missionários.
Com a saúde restabelecida, em 1907 o Papa lhe confiou a Diocese
de Parma. Foi um bom pastor por mais de 24 anos. Promoveu
a instrução religiosa ao ponto de transformá-la em ponto crucial
de seu empenho pastoral; instituiu escolas de doutrina cristã em
20 21
todas as paróquias; preparou catequistas com cursos específicos
de cultura religiosa e de pedagogia do ensinamento e, pioneiro na
Itália, celebrou uma semana catequética. Enfrentando fadigas e
inúmeras dificuldades, realizou quatro visitas pastorais, indo às
paróquias mais remotas. A quinta visita pastoral foi interrompida
pela morte. Celebrou dois sínodos diocesanos, instituiu e promoveu
associações católicas, a boa imprensa, as missões populares,
Congressos Eucarísticos, Marianos, Missionários e da Ação Católica.
Zelou de modo especial pela formação do clero, assim como a
dos leigos.
Sem descuidar de seu serviço pastoral na Diocese, empenhou-se
no anúncio do Evangelho aos não-cristãos, seja através da atenção
à Família missionária, por ele fundada e da qual foi Superior Geral,
como apoiando todas as iniciativas de animação missionária
na Itália. Em 1916, colaborou na fundação da União Missionária
do Clero, da qual foi o primeiro presidente por dez anos. Em 1928
foi pessoalmente à China, visitar os confrades e as comunidades
cristãs a eles confiadas.
No dia 5 de novembro de 1931 adormeceu no Senhor. Seus funerais
registraram extraordinária participação popular.
A fama de suas virtudes e de sua santidade estendeu-se de Parma
a todos os países onde atuam os Xaverianos. Os dois milagres
para a beatificação e a canonização verificaram-se, com efeito, no
Burundi e no Brasil.
Sua santidade consiste no humilde, fiel e constante cumprimento
da vontade de Deus em todos os momentos de sua vida e no
ardente zelo pela salvação de todos os homens. Sua fé viva transparecia
em cada sua palavra e gesto; a confiança ilimitada na Divina
Providência foi sustento para suas tribulações; sua inexaurível caridade
para com Deus e os irmãos, além do desejo de sua salvação,
eram visíveis a todos.
Estava convencido de que a Igreja é missionária por sua própria
natureza e, portanto, que todo cristão, conforme a sua vocação,
possibilidades, e meios, deve colaborar para que o Evangelho chegue
até os últimos confins da terra. Sua vida testemunha que toda
comunidade cristã deve “ampliar a vasta trama da caridade até os
confins da terra, demonstrando, em relação aos mais distantes, a
mesma solicitude expressa aos membros da própria comunidade”
(AG 37) e que um Bispo “é consagrado não apenas para sua Diocese,
mas para a salvação do mundo inteiro” (AG 38).
Foi beatificado em São Pedro pelo Papa João Paulo II no dia
17 de março de 1996. Sua Santidade Bento XVI no consistório
público do 21 de fevereiro de 2011 decidiu incluí-lo no livro
dos santos.

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Pe. Filipe fala sobre a Canonização de Dom Guido


Os dons que Deus faz a uma pessoa sao para o bem de todos. A canonizaçao de Dom Guido Conforti é algo que enriquece nao somente a familia xaveriana mas tambem a Igreja e o mundo. Ele foi um grande missionario mas ‘fora do comum’, ‘atipico’, pois nao partiu para as missoes, viveu sempre no seu pais de origem. Ainda jovem, durante os anos do seminario, tinha lido uma biografia do grande Francisco Xavier e isso fez surgir nele o desejo de ser missionario na China. Mas a saude dele e outros motivos impediram a realizaçao de tal sonho. Dom Guido nao foi um ‘adventureiro eroico’, nao enfrentou viagens perigosas, nao foi um martir, nao fez nada ‘fora do comum’. Para ser missionario, de fato, nao precisa necessariamente partir, devorar quilometros e realizar grandes obras, basta somente, apos encontrar o Ressuscitado, querer anuncia-lo aos outros, como fizeram os dois de Emaus. O discipulo torna-se necessariamente missionario. Dom Guido fez esta experiencia quando, em Parma, indo para a escola, dentro de uma igreja, contemplava um crucifixo que, com os seus braços abertos, indicava a universalidade da missão. Hoje em dia muitas pessoas vao a igreja para receber ou pedir alguma coisa. Contemplando diariamente aquele crucifixo Dom Guido percebeu que devia oferecer a propria vida. Aquele crucifixo que abraçava todos os povos da terra precisava dele para realizar um projeto: fazer do mundo uma só família que abrace a humanidade.
Guido ingressara’ no seminario de Parma pouco depois. Desde os anos de sua juventude, os altos muros do seminário não lhe impediam, antes estimulavam seus sonhos de evangelizar a China. Anos depois, como sabemos, serà bispo incansavel, servindo o seu povo sem poupar esforços e enfrentando grandes sacrifícios. Ainda assim, Guido nao somente nao se fecha na propria diocese, mas sente tambem a força e a urgencia da missao ‘alem-fronteiras’, por isso decide formar uma familia missionaria. Tinha somente 23 anos quando comecou a pensar neste ousado e dificil projeto. Nao se intimidou diante das dificuldades. Na qualidade de bispo, foi animador missionário da Igreja italiana e fez questão que os cristãos da Itália se preocupassem, eles tambem, pela missão além-fronteira e não somente pelo próprio país.
Dom Guido foi, ao mesmo tempo, bispo de Parma, mas missionario do mundo, pastor de dois rebanhos, a diocese de Parma e a imensa missão da China, que Roma confiara aos xaverianos, onde seus filhos estavam evangelizando. Ele mesmo deu o exemplo: se abriu aos imensos horizontes do mundo, acompanhou, sustentou e visitou pessoalmente os seus na China, pouco antes de morrer. Mesmo precisando de padres para a sua diocese (pouquíssimos frente à enorme necessidade de tantas paróquias) envia a China vários missionarios, convencido que quem doa com generosidade recebe muito mais, pois (como afirma Aparecida) a missão evangelizará também as nossas igrejas e comunidades com as riquezas partilhadas de outros continentes. A missão Ad Gentes não é uma generosidade da Igreja na América Latina, é um dever que se converterá em riqueza para o mesmo continente.
Guido foi Pastor de dois rebanhos.. mas isso vale tambem para todo batizado! O primeiro rebanho sao as pessoas que lhe sao confiadas, na familia, na comunidade, no trabalho. Entre nos ha’ tanta gente afasta da Igreja e ‘distante’.. tantos empobrecidos e marginalizados. Mas existe um segundo rebanho: o mundo. O discipulo é responsavel por toda a humanidade, por aqueles que ainda (a grande maioria), na terra, ignoram o amor do Pai e a fraternidade do Reino. Nao podemos ficar indiferentes. Dom Guido pensava que todo cristão deve, de certa forma, se sentir responsável também das Missões entre os não cristãos, nos 5 continentes da terra. Nisso Ele antecipou (naquela epoca!) a abertura missionaria do Vaticano II e de Aparecida: “Para não
cair na armadilha de fechar-se em si mesma, a nossa Igreja Latino-americana deve formar-se como discípula missionária sem-fronteira, disposta a ir ‘a outra beira’, onde Cristo ainda não é reconhecido como Deus e Senhor”. Obrigado Sao Guido pelo teu lindo testemunho de vida missionaria! ================================

ÉPOCA DE OURO DE NOSSA COMUNIDADE, UM TEMPO QUE JÁ FOI EMBORA; NÃO VOLTA MAIS!































sexta-feira, 13 de maio de 2011

CANONIZAÇÃO DO BEM-AVENTURADO DOM GUIDO M. CONFORTI Fundador da Congregação Religiosa Missionária dos Xaverianos

Santidade missionária: acolher e abraçar todos os povos e juntos, formar uma só família.
A família dos missionários xaverianos tem a alegria de comunicar que, em data de 23 de outubro deste ano 2011, (dia mundial da Missão), o seu Fundador, o beato Guido Maria Conforti, será declarado santo na Praça de São Pedro em Roma.
A celebração prevê uma ampla participação do Povo de Deus, em particular dos missionários e missionárias em geral. Um convite especial vai para os amigos/as que sempre nos acompanham e participam do nosso mesmo ideal missionário. As modalidades da viagem para Roma serão apresentadas e definidas no desenvolver dos preparativos e de toda a programação.
Os preparativos serão realizados no âmbito comunitário e eclesial onde vivem e atuam os xá-verianos através de encontros de espiritualidade xaveriana e de estudo para conhecer a figura de Dom Guido e o carisma missionário religioso da Congregação por ele fundada. Haverá também celebrações, novenas... e muita fraternidade.




Programação por área
Na paróquia São Francisco Xavier, Tv Mauriti, no dia 22 de maio pela manhã, começa às 08:30 com a celebração eucarística, continua com um momento de animação missionária-vocacional e confraternização.
Na Paróquia Sgr Coração de Jesus, Ananindeua - Encontros mensais: 29 de abril, Centro Xavier; 27 de maio, S Coração de J; 17 de junho, N. S. Dores; 26 de agosto, Dom Bosco; 30 de setembro, S. Sebastião; sempre das 18:00h até 21:00h. Haverá espiritualidade, celebrações e confraternização.
Na paróquia Sta Terezinha, Bairro Águas Lindas, Ananindeua, dia 5 de junho pela manhã - Às 07:00h celebração eucarística, segue animação missionária e confraternização.
Na Paróquia Sto Antonio, Bairro do Coqueiro Na Comunidade Sto André, dia 26 de junho, haverá espiritualidade xaveriana, celebração, animação missionária e confraternização. Na Matriz dia 30 de outubro, celebração solene da oitava da declaração de São Guido
Convite Venham participar, juntam-se à família xaveriana que está em festa. Estejam presentes com a sua paixão missionária, nas celebrações, nos momentos de espiritualidade e de fraternidade.
Estreitaremos os laços de amizade e fortale-ceremos o nosso compromisso missionário.
Belém, PA - Abril de 2011 – A Comissão Regional da canonização. tel: 3225 0460; 3255 3220 regional.bn@hotmail.com

ORAÇÃO


Deus, Pai de todos os povos,
que no Espírito de Vosso Filho
sois a origem de tudo o que é bom e santo,

Nós Vos louvamos
Pela vida de Vosso servo Guido Conforti.
Ele, contemplando Jesus crucificado
e Nele reconhecendo Vosso amor
por todas as criaturas,
dedicou toda sua vida
ao anúncio do Evangelho.

Nós Vos agradecemos
Porque o destes
aos missionários xaverianos, como pai,
à Igreja, como pastor e missionário,
a todos, como exemplo de virtude e modelo de santidade.

Nós Vos pedimos
Por sua intercessão:
. . .
aumentai nossa fé,
para sermos também
anunciadores de Vosso amor,
testemunhas de esperança
e construtores de Vosso Reino.

A Vós, louvor, honra e glória para sempre. Amém.

domingo, 8 de maio de 2011

Curiosidades: Como surgiram as igrejas protestantes?





" O silêncio é um amigo que nunca trai..."

Elas surgiram a partir do inconformismo do padre alemão Martinho Lutero (1483-1546) em aceitar algumas práticas da Igreja Católica. Lutero atacava duramente a venda de indulgências, ou seja, a obtenção de perdão para um determinado pecado em troca de dinheiro. No dia 31 de outubro de 1517, Lutero pregou na porta de uma igreja de Wittenberg, na Alemanha, um manifesto com 95 teses em que atacava não só a venda de indulgências, como também outros procedimentos da Igreja Católica, como a negociação de cargos eclesiásticos. O papa Leão X exigiu uma retratação do padre, ameaçando condená-lo por heresia. Mas Lutero não voltou atrás e rompeu com a Igreja Católica, dando início à chamada Reforma Protestante, movimento que se espalhou pela Europa, impulsionado pela maior flexibilidade religiosa que oferecia.

Os inimigos dos reformistas passaram a se referir a seus seguidores como "luteranos". Estes, por sua vez, preferiam ser chamados de "evangélicos", termo hoje muito usado para se referir aos fiéis das igrejas protestantes. A liberdade pregada por Lutero acabaria abrindo espaço para o surgimento de várias correntes religiosas. "O protestantismo tem uma pedra fundamental: a autonomia. A idéia de que só Deus salva, a subjetividade do indivíduo e a possibilidade de assumir e viver as diferenças vai gerar uma variedade enorme de igrejas", diz o cientista da religião João Décio Passos, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Isso ajuda a entender por que hoje existem tantas ramificações entre os protestantes.

Crença na autonomia
Liberdade pregada por Lutero deu origem a várias correntes religiosas
Igreja Católica - Reforma Protestante

Luteranos

A ruptura de Luterano com os católicos, em 1517, lançou as bases para a expansão do protestantismo. Os luteranos condenavam o comportamento moral dos padres católicos e acreditavam que a salvação estava nas escrituras sagradas.

Presbiterianos

Inspirados no teólogo fracês João Calvino (1509-1564), pregavam a predestinação divina: ou seja, só os eleitos por Deus se salvariam. O teólogo holandês James Arminius (1560-1609) criaria depois outra vertente do presbiterianismo: o Arminianismo

Anglicanos

O rei inglês Henrique VIII (1491-1547) queria anular seu primeiro casamento para se unir a outra mulher. Após a recusa do papa Clemente VII, ele rompeu com a Igreja Católica e criou a anglicana em 1534, ficando livre da interferência papal

Batistas

O movimento anabatista já existia quando Lutero começou a questionar a Igreja Católica. Mas, como outras correntes protestantes, o movimento só ganhou expressão após a Reforma. Acabou dando origem à Igraja Batista

Metodistas

Surgiram na Inglaterra no século 18, propondo reformar a Igreja Anglicana. Baseadas na crença da salvação pela fé em Cristo, as idéias metodistas não conseguiram mudar os anglicanos, mas deram origem a uma nova corrente protestante

Pentecostais

Começaram a aparecer no início do século 20 como uma dissidência dos metodistas. Em 1910, foi fundada a Congregação Cristã do Brasil; no ano seguinte, a Assebléia de Deus, e em 1962, Deus é Amor. Os pentecostais crêem na cura pela fé

Neopentecostais

Fazendo parte do grupo a Igreja Universal do Reino de Deus, de 1977, e a Igreja Renascer em Cristo, de 1986. Os neopentecostais têm em comum a adoçãoda mídia para pregar aos fiéis, além dos cultos espetaculares e a realização de exorcismos

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Canonização de Dom Guido Maria Conforti Vaticano

UFFICIO DELLE CELEBRAZIONI LITURGICHE
DEL SOMMO PONTEFICE
NOTIFICAZIONE

CONCISTORO
PER IL VOTO SU ALCUNE CAUSE DI CANONIZZAZIONE

Lunedì 21 febbraio 2011, alle ore 12.00, nella Sala del Concistoro del Palazzo Apostolico Vaticano, avrà luogo, durante la celebrazione dell’Ora Sesta, il Concistoro Ordinario Pubblico per la Canonizzazione dei Beati:
Guido Maria Conforti, Arcivescovo Vescovo di Parma, fondatore della Pia Società di San Francesco Saverio per le missioni estere (Missionari Saveriani);
Luigi Guanella, presbitero, fondatore della Congregazione dei Servi della Carità e dell’Istituto Figlie di Santa Maria della Provvidenza;
Bonifacia Rodríguez de Castro, vergine, fondatrice della Congregazione delle Serve di San Giuseppe.
* * *
I Signori Cardinali, i Patriarchi, gli Arcivescovi, i Vescovi e tutti coloro che sono stati invitati, sono pregati di trovarsi per le ore 11.30 nella Sala del Concistoro del Palazzo Apostolico. Gli ecclesiastici indosseranno l’abito corale loro proprio.
Città del Vaticano, 7 febbraio 2011

Per mandato del Santo Padre
Mons. Guido Marini
Maestro delle Celebrazioni Liturgiche Pontificie

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

IGREJA TERÁ TRÊS NOVOS SANTOS EM OUTUBRO: DOM CONFORTI, PE. GUANELLA E A RELIGIOSA BONIFÁCIA DE CASTRO




Cidade do Vaticano, 21 fev (RV) - O Papa realizou na manhã desta segunda-feira, na Sala do Consistório, no Vaticano, durante a celebração da Hora Média (da Liturgia das Horas), o Consistório Ordinário Público para três Causas de Canonização.

Os três Beatos que serão proclamados Santos, no dia 23 de outubro próximo, são o fundador dos Missionários Xaverianos, Dom Guido Maria Conforti; a religiosa espanhola Bonifácia Rodríguez de Castro; e Pe. Luigi Guanella.

Três testemunhas do Evangelho que viveram entre o Séc. XIX e o Séc. XX, sendo verdadeiros modelos de caridade e espírito missionário.

"Minha esperança és tu, Senhor, Iahweh é minha confiança desde a juventude": essa passagem do Salmo 70, recitada na Hora Média, descreve bem o traço que une os três futuros Santos: a confiança inquebrantável no Senhor.

De fato, no Consistório, o Pontífice aprovou a Canonização dos Beatos Conforti, Guanella e Rodríquez de Castro:

"Venerábiles Fratres, opportunitátem iam sínguli perpendístis Beátos Guidónem Maríam Conforti, Aloísium Guanella, et Bonifátiam Rodríguez de Castro in Sanctórum número censéndi..."

A religiosa espanhola Rodríguez de Castro, fundadora da Congregação das Missionárias Servas de São José, nasceu em Salamanca em 1837, originária de uma família de humildes artesãos. Nesse contexto, começou a trabalhar desde cedo.

Enriquecida por sua experiência, fundou uma Congregação para ajudar as mulheres operárias. Um projeto corajoso que, porém, não agradou ao clero diocesano. Desprezada por suas próprias coirmãs, não respondeu às ofensas, mas viveu no silêncio e na confiança em Cristo. Somente após a morte, em 1905, ruíram as calúnias levantadas contra ela, e foi reconhecida a sua santidade.

Outro futuro Santo – como dissemos – é Pe. Luigi Guanella, Santo da Caridade na Itália do Séc. XIX, ao lado dos necessitados e portadores de deficiência. Sobre a sua figura se detém o postulador da Causa de Canonização, Pe. Mario Carrera, entrevistado pela Rádio Vaticano:

Pe. Mario Carrera-: "Essa figura foi realmente grande em sua vida, não somente porque fundou duas congregações, "Os Servos da Caridade" e "as Filhas de Santa Maria da Providência", mas foi realmente um grande homem que soube dar uma resposta, nos limites do possível, aos gemidos da humanidade sofredora. Foi verdadeiramente um Bom Samaritano."

P. Um Santo da caridade que chegou onde somente uma testemunha do Evangelho como ele poderia chegar...

Pe. Mario Carrera:- "Eu diria que o Santo realmente traz em suas entranhas as urgências e os sofrimentos dos pobres e ouve o gemido que muitas organizações em nível estatal não conseguem escutar. Diria que hoje, neste momento em que a Igreja anuncia essa Canonização, é dia de festa para nós, certamente, que somos os seus filhos espirituais, mas é a festa dos pobres, porque Pe. Guanella se fez sempre próximo dos marginalizados: diminuiu o círculo da marginalização deles de modo a permitir-lhes uma participação viva na vida da Igreja, como também da própria sociedade."

Por outro lado, um luminoso exemplo de missionariedade é o futuro Santo Guido Maria Conforti. Sobre a importância dessa Canonização, se detém o Superior Geral dos Missionários Xaverianos – Congregação fundada pelo Beato Conforti – Pe. Rino Benzoni, entrevistado pela Rádui Vaticano:

Pe. Rino Benzoni:- "Para além da celebração, queremos fazer de modo que esta Canonização sirva à Congregação para crescer em santidade e missionariedade e à Igreja italiana e universal justamente para redescobrir a missão do anúncio do Evangelho a todos os povos. Isso se torna um compromisso não indiferente para nós este ano."

P. A missão está, realmente, no centro dessa figura de santidade e de sua obra...

Pe. Rino Benzoni:- "Desde o início da sua vida – podemos dizer – a missão foi aquilo que uniformizou essa personalidade, tanto do ponto de vista humano, quanto espiritual, e também nas relações, embora não tenha podido realizá-la no modo clássico, por causa de sua saúde, e por ter sido aos 37 anos chamado pelo Papa a ser Arcebispo de Ravenna. Mas a realizou nessa síntese vital forte entre o ser pastor de uma Igreja italiana, primeiro como padre e, depois, como bispo. Portanto, bispo, padre e fundador de uma Congregação missionária." (RL)

Papa vai canonizar três beatos em outubro

Leonardo Meira

Da Redação, com reportagem da Rádio Vaticano (em italiano - tradução de CN Notícias)


Arquivo
Bento XVI presidirá cerimônia em outubro, dia 23
O Papa Bento XVI marcou a data da cerimônia de canonização de três beatos: será no domingo, dia 23 de outubro - Dia Mundial das Missões - , na Praça de São Pedro.

O anúncio foi realizado na manhã desta segunda-feira, 21, durante um Consistório Ordinário Público. A cerimônia foi presidida pelo Pontífice e aconteceu na Sala do Consistório do Palácio Apostólico Vaticano, durante a celebração da Hora Sexta (parte da Liturgia das Horas que acontece ao meio-dia), às 9h (horário de Brasília - 12h em Roma).

Os beatos a serem canonizados são:

 - o Arcebispo de Parma e fundador da Pia Sociedade de São Francisco Xavier para as missões estrangeiras (Missionários Xaverianos), Dom Guido Maria Conforti.
Foi um luminoso exemplo de missionariedade. "Para mim, a atualidade dessa figura está no fato da sua santidade e, portanto, naquilo que foi recordado pelo Papa João Paulo II: o missionário, para sê-lo verdadeiramente, deve ser santo", afirma o Superior Geral dos Missionários Xaverianos, padre Rino Benzoni;

 - o padre e fundador da Congregação dos Servos da Caridade e do instituto das Filhas de Santa Maria da Providência, Luigi Guanella
.
Viveu na Itália, no século XIX, e dedicou-se aos carentes e deficientes. "É Deus quem faz", respondia ele a quem pedia que sintetizasse a sua obra. "Diria que o santo verdadeiro leva dentro de sua carne as necessidades urgentes e os sofrimentos dos pobres. [...] Hoje é festa para nós, certamente, que somos filhos espirituais, mas também é festa dos pobres, porque padre Guanella sempre foi próximo dos marginalizados", afirma o postulador da Causa de Canonização, padre Mario Carrera;

 - a virgem e fundadora da Congregação das Servas de São José, Bonifacia Rodríguez de Castro. Nasceu em Salamanca (Espanha), em 1837, em uma família de humildes artesãos. A partir de sua experiência, fundou uma Congregação para o apoio às mulheres operárias. Um projeto corajoso, mas que foi rechaçado pelo clero diocesano. Desprezada pelas suas próprias irmãs de Congregação, não respondeu às ofensas, mas viveu no silêncio e confiança em Cristo. Somente depois de sua morte, em 1905, caíram as calúnias contra ela e foi reconhecida sua santidade.

Dom Guido Maria Conforti va ser canonizado dia 23/10